Inscrições  |  Meus dados  |  Área Restrita
Federação Espírita de Mato Grosso do Sul

Artigos


Os Espíritos respondem...
por Reformador

Nas comemorações dos 35 anos do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE), a coordenação nacional da Área de Estudo do Espiritismo do Conselho Federativo Nacional da FEB consultou o médium Divaldo Pereira Franco sobre a possibilidade de entrevistar os Espíritos Bezerra de Menezes, Angel Aguarod, Francisco Thiesen e Cecília Rocha, para que dessem algumas orientações e diretrizes relativas, particularmente, ao ESDE e, de forma geral, ao estudo do Espiritismo promovido pelo Movimento Espírita. Eis o que, sobre o assunto, nos responderam os benfeitores espirituais:

 

Entrevista com  Bezerra de Menezes:

AEEComo a Espiritualidade Superior analisa o ESDE no momento em que completa os seus 35 anos de ação?

Bezerra – Graças ao trabalho profícuo do ESDE, a divulgação correta e acessível da Doutrina Espírita vem encontrando maior ressonância nas mentes e nos sentimentos.

A metodologia aplicada facilita a compreensão dos nobres postulados doutrinários, ao mesmo tempo que os amplia, utilizando-se da contribuição de dedicados pesquisadores e estudiosos fiéis, que oferecem esclarecimentos bem fundamentados para a sua fixação mental e  comportamental.

Tem sido um excelente instrumento pedagógico para a  divulgação do Espiritismo.

AEEComo o senhor avalia o momento e as possibilidades do estudo do Espiritismo no  Brasil e no mundo?

Bezerra – Este é um momento grave na história da Humanidade. Anteriormente, a filosofia materialista retirou das mentes, que se lhe aderiram, o endereço de Deus. Na atualidade, além dessa, o ser humano perdeu o endereço de si mesmo e encontra-se aturdido, sem saber para onde ir e como comportar-se. A ética do sentido existencial desapareceu no jogo das paixões primárias e o imediatismo do prazer, especialmente sensual, vem-se tornando excessivo e desintegrador dos objetivos básicos da existência, enquanto faculta o comprometimento com as obsessões espirituais e os comportamentos extravagantes, quando não criminosos...

Estes dias fazem-nos recordar aqueles quando o Senhor Jesus veio ter conosco na Terra, a fim de oferecer-nos as diretrizes incomparáveis para uma existência feliz, conforme se encontram exaradas em o Novo Testamento. Desse   modo, multiplicam-se as possibilidades do estudo do Espiritismo em toda parte, especialmente no

Brasil, considerando-se a sua missão histórica.

A dor que aturde, o desespero que aflige e a angústia que consome, necessitam de urgente orientação, de esperança, de equilíbrio, baseados nos postulados do amor e na ação da caridade, mediante a transformação moral de cada um para melhor e a constante luta contra as suas más inclinações.

Todos nós, espíritas,  encarnados ou não, deveremos esforçar-nos para divulgar a Mensagem de libertação, vivendo-a integralmente.

AEEComo proceder para que sigamos como trabalhadores fiéis ao compromisso assumido com o Cristo?

Bezerra – O incomparável Mestre ensinou-nos a regra básica: “Todos saberão que sois meus discípulos por muitos vos amardes.”.

O amor é o selo de mansidão que identifica o discípulo de  Jesus e a caridade é a auréola que o envolve.

Desse modo, a união de todos e a unificação das instituições devem constituir metas a serem alcançadas de imediato no serviço do Bem.

 

Entrevista com  Angel Aguarod:

AEEAs orientações oferecidas em suas mensagens pela mediunidade de Cecília Rocha nos anos de 1970 estão sendo atendidas pelo Movimento Espírita? O que falta?

Aguarod – Não padece dúvida que os trabalhadores de boa vontade estão se  esforçando para atender às necessidades de iluminação e progresso que o Espiritismo oferece. Multiplicaram-se os dedicados divulgadores desde aquela época; foram realizados cursos eficientes, atendimentos a sociedades espíritas desprovidas de facilidade para a aplicação do ESDE, informações seguras e vivência doutrinária.

O que sugeriríamos diz respeito a maior exposição do nosso programa, elucidando os presidentes dos centros espíritas a adotarem o método facilitador, mediante conferências especializadas e comentários frequentes sobre a sua eficiência.

Ainda existem aqueles que reagem ao compromisso importante de preparar as novas gerações, a respeito do porvir da Humanidade, lembrando-se que o “Espiritismo será o futuro das religiões”, como asseveraram os Espíritos ao Codificador, e para que assim aconteça, é indispensável educar e instruir a todos.

AEEO que o senhor tem a dizer aos trabalhadores da Área de Estudo do Espiritismo na atualidade?

Aguarod – O êxito de todo empreendimento decorre da maneira como é executado. Diremos aos queridos irmãos que laboram nessa área grandiosa de libertação de consciências e de vivência espírita-cristã, que permaneçam com entusiasmo, demonstrando a excelência dos postulados divulgados na própria conduta, conforme a viveram o insigne 

Codificador e os fiéis seguidores de todas as horas.

O exemplo do divulgador do Espiritismo é portador de grande poder, porque arrasta as pessoas atraídas pelas palavras à vivência do que lhes é transmitido.

 

Entrevista com  Francisco Thiesen:

AEEPodemos considerar a organização da Área de Estudo do Espiritismo como uma evolução de todo um processo que exigiu amadurecimento do Movimento Espírita por meio das experiências realizadas com os programas voltados para a infância, juventude e adulto, neste último caso, em especial com o ESDE?

Thiesen – Somente quando o Movimento Espírita se encontrava consolidado, graças à seriedade dos centros e instituições espíritas, é que se tornou possível o surgimento do ESDE, considerando-se a qualidade do seu programa e a revelação espiritual transmitida por médiuns sérios e devotados, escritores e conferencistas fiéis à Codificação, confirmando na atualidade a obra incomparável de Allan Kardec.

Tornaram-se paradigmas esses laboriosos instrumentos do Alto, para a ampla divulgação do Espiritismo, ora reunidos em um programa abrangente e disciplinado, que facilita o estudo e a vivência da Doutrina.

Desse modo, foram beneficiados crianças, jovens e adultos, após superados pela psicopedagogia os antigos programas, que tiveram utilidade na sua época, havendo servido de base para o novo investimento, em constante evolução.

AEEÉ acertada a estratégia de focar o Espiritismo como Consolador Prometido nas ações de preparação de trabalhadores para a Área de Estudo do Espiritismo?

Thiesen – Inegavelmente, sendo o Espiritismo o Consolador que Jesus prometeu, é indispensável que nesse fato legítimo sejam preparados os trabalhadores para a Área de Estudos do Espiritismo, vinculando-os irrevogavelmente ao insigne Mestre de Nazaré. Cristianizando-se, mais facilmente o indivíduo se tornará espiritista legítimo e dedicado.

AEEQue diretrizes nos podem ser oferecidas no momento em que as opções de estudo se ampliam com a organização da Área de Estudo do Espiritismo pelo Conselho Federativo Nacional?

Thiesen – A unificação dos espíritas e suas instituições é um dos passos mais valiosos da compreensão e da fraternidade entre todos. Deveremos lutar sem cessar para manter esse liame que demonstra a grandeza da Doutrina em nossas existências, de um ou do outro lado da Vida.

Podemos e devemos discrepar de propostas apresentadas, quando necessário, pois o nosso é o regime democrático. Nunca, porém, dissentir, separar-nos ou deixar que o calor das expressões nos levem à  desconsideração pessoal.

A ampliação da Área de Estudo do Espiritismo pelo CFN facultará o desenvolvimento da aplicação do programa em todo o país, passo avançado para ser utilizado por outros países da Terra, conforme já vem acontecendo.

 

Entrevista com  Cecília Rocha:

AEEQual a sua visão, desde o Plano Espiritual, em relação ao ESDE e à organização da Área de Estudo do Espiritismo pelo CFN, com a possibilidade da multiplicação de programas de estudo voltados para o público adulto?

Cecília – Sempre me preocupei com uma programação que facilitasse ao público adulto estudar o 

Espiritismo. Quando residente em Porto Alegre, com um grupo de educadores, pensamos em uma programação específica para crianças, na Federação Espírita do Estado e, ante os resultados excelentes que foram colhidos, dediquei-me ao estudo de um outro, voltado para os adultos.

Havia e ainda existe alguma dificuldade em muitas pessoas para penetrarem com segurança a codificação kardequiana.

Posteriormente, em Brasília, vinculada à Federação Espírita Brasileira, pensei haver chegado o momento de propor, com um grupo de educadores, psicólogos e servidores sociais, o ESDE. Apesar de alguma resistência encontrada, como é natural, viajando pelo país e Exterior, pude constatar a acertada decisão, agora segura de que procedera do Mundo Espiritual.

O ESDE facilita o entendimento da Doutrina Espírita, contribuindo      seguramente com os textos que complementam as diretrizes estabelecidas,não somente elas, mas também a ampliação do conhecimento humano defluente do estudo sério e bem amplo apresentado.

Hoje   acompanho   a    sua divulgação e exulto com os resultados conseguidos na expectativa de frutos opimos para o futuro, por meio da cooperação eficiente do CFN.

AEEComo a senhora observa, do Plano Espiritual, as mudanças ocorridas nestes 35 anos, nas estratégias de estudo do Espiritismo? Há alguma orientação mais específica para a atual Área de Estudo do  Espiritismo?

Cecília – As mudanças ocorreram por necessidade de adaptação psicopedagógica, havendo sido muito valiosas, porque acompanharam o desenvolvimento intelecto-moral, abrindo-se a novos campos do conhecimento e mantendo-se perfeitamente atuais.

AEEO que a senhora orientaria aos facilitadores de grupos de estudo da atualidade?

Cecília – Eu solicitaria a esses admiráveis e dedicados trabalhadores da Doutrina de Jesus que se entreguem a esse mister com amor, estando vigilantes para as necessidades que os tempos vierem a apresentar, tornando cada vez mais eficiente o programa  iluminativo.  

 

Considerações sobre A gênese, os milagres e as predições segundo o espiritismo

/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /

Comparada às demais obras de Allan Kardec, A  gênese se revela, de certo modo, diferente das anteriores,  abordando,

sucessivamente, assuntos que em aparência são inconciliáveis, como os milagres, as predições e a gênese propriamente dita, analisados em profundidade sob a lógica cristalina da fé raciocinada.

Interessante destacar que nenhuma outra obra da Codificação Espírita evidencia, de modo tão patente, o gênio incontestável de Allan Kardec. Embora se possa dizê-la, como as precedentes, segundo o Espiritismo, por conta de sua conformidade com o ensino geral dos Espíritos, não há como negar o papel preponderante do Codificador no desenvolvimento das matérias ali expostas, auxiliando-nos o entendimento na interpretação dos postulados espíritas, na aplicação de suas práticas, de suas orientações filosóficas e de suas consequências morais. É, dentre todas as obras do pentateuco espírita, se assim nos podemos expressar, a que mais recebeu a contribuição pessoal de Allan Kardec, comparativamente à dos Espíritos reveladores, muito mais evidente nas produções anteriores, sobretudo na edição original de O livro dos espíritos, de 1857. Aqui, Kardec alcançou o grau de mestre, as entidades venerandas já não o tutelam tão de perto, como antes... de aprendiz assume a condição de professor catedrático!

A despeito de tudo isso, e em que pese toda a sua importância, A gênese é um dos livros de Allan Kardec menos lidos e estudados pelos espíritas do Brasil.  Esperamos que as palestras, seminários, conferências e congressos que as comemorações de seu sesquicentenário, em 2018, por certo suscitarão, possam despertar a atenção de nossos irmãos de ideal para a obra que veio coroar a missão do Codificador do Espiritismo.



Publicado em

HOME SOBRE A FEMS EVENTOS DOWNLOADS VÍDEOS ARTIGOS E ENTREVISTAS NOTÍCIAS LINKS CONTATO
Copyright © 2018 FEMS - Federação Espírita de Mato Grosso do Sul. Todos os direitos reservados - Avenida Calógeras, 2209 - Centro, Campo Grande - MS, 79004-380